Insônia é um distúrbio que se caracteriza pela dificuldade de começar a dormir, manter-se dormindo ou acordar antes do horário desejado.

De acordo com a Associação Brasileira do Sono, de cada três brasileiros, pelo menos um tem insônia. Isso coloca o país em alerta, pois um sono que não seja reparador poderá trazer inúmeras consequências para o paciente, para familiares ou para a sociedade em geral.

Abordaremos neste texto as causas, sintomas de risco e sintomas da insônia.

Causas

A principal causa da insônia são os fatores psicofisiológicos, como expectativas, preocupações e estresse. Todavia outras causas também frequentes da insônia são as dores do corpo, uso de alguns medicamentos, doenças respiratórias e reumáticas.

Preocupações
  • com situações do passado que não volta – como estudo, viagem, casamento;
  • com coisas impossíveis de reverter – como a morte;
  • com o futuro que não chegou;
  • com o presente, mas desorganizado.
Estresse

Preocupações relacionadas ao trabalho, estudos, saúde ou família podem manter sua mente ativa durante a noite, o que dificulta na hora de adormecer. Já acontecimentos como morte ou adoecimento de um ente querido, divórcio ou perda de emprego são causas de grande estresse e podem desencadear episódios de insônia.

Ansiedade

Ansiedade diária, bem como transtornos graves de ansiedade, como o transtorno de estresse pós-traumático, podem atrapalhar o sono. Preocupar-se com a dificuldade que terá para dormir também pode levar à insônia mais facilmente.

Depressão

Uma pessoa com depressão pode dormir mais do que o normal e não conseguir dormir. Insônia é comum em casos de depressão.

Condições médicas

Dor crônica, dificuldade para respirar ou necessidade frequente de urinar podem levar à insônia, incluindo quadros de artrite reumatoide, câncer, insuficiência cardíaca, doença pulmonar, enfisema pulmonar, refluxo gastresofágico, doenças da tireoide, derrame, doença de Parkinson e Alzheimer.

Mudança no ambiente ou horário de trabalho

Viajar ou alterar o horário de trabalho pode provocar uma mudança no ritmo cardíaco do corpo e no chamado “relógio biológico”, que dificulta o início do sono.

Maus hábitos de sono

Maus hábitos de sono também podem causar insônia. Estes incluem: irregularidade do sono, como dormir e acordar em horários diferentes todos os dias; atividades estimulantes antes de deitar-se; dormir em ambientes inapropriados e desconfortáveis, como num lugar muito iluminado, dormir em frente à televisão ou dormir com a luz acesa.

Medicações

Muitos medicamentos podem interferir na capacidade de uma pessoa adormecer ou permanecer dormindo, incluindo antidepressivos, remédios para controle da pressão arterial, antialérgicos, estimulantes e corticosteroides, inclusive medicamentos que contenham cafeína.

Cafeína, nicotina e álcool

Café, chá, refrigerantes à base de cola e outras bebidas que contenham cafeína são estimulantes bastante conhecidos e comuns no dia a dia. Seu consumo não é proibido e não está diretamente relacionado à insônia, mas podem, eventualmente, ser um fator desencadeador do distúrbio. Beber café à noite pode dificultar o início do sono.

A nicotina em cigarros ou outros produtos derivados do tabaco é outro estimulante que pode causar insônia. O álcool pode até ajudar a dormir, mas impede os estágios mais profundos do sono e muitas vezes pode fazer com que uma pessoa desperte no meio da noite.

Comer muito tarde

Comer um lanche leve antes de dormir é recomendado, mas comer demais pode fazer com que uma pessoa se sinta fisicamente desconfortável na hora de se deitar, o que pode dificultar na hora de adormecer.

Idade

A insônia pode se tornar mais comum com a idade. Ruídos e outras alterações no ambiente podem despertar uma pessoa idosa mais facilmente do que alguém mais jovem. Com a idade, o relógio biológico muda, fazendo com que a pessoa se sinta cansada mais cedo à noite e acorde mais cedo na manhã.

Fatores de risco para Insônia

O risco de insônia é maior em:

  • Pessoas do sexo feminino: as mulheres são muito mais propensas a sofrer de insônia, principalmente por causa de mudanças hormonais durante o ciclo menstrual e na menopausa. A insônia também é comum com a gravidez.
  • Pessoas acima dos 60 anos de idade, devido principalmente às alterações nos padrões de sono e a problemas de saúde.
  • Pessoas com algum distúrbio de saúde mental, como depressão, ansiedade, transtorno bipolar e o transtorno de estresse pós-traumático são mais propensas a apresentar insônia.
  • Pessoas sob estresse. Fatos estressantes podem causar insônia temporária.
  • Trabalhar à noite ou viajar a trabalho, que envolva trocas frequentes de fuso horário.

Sintomas de Insônia

Os principais sintomas de insônia podem incluir:

  • Dificuldade para adormecer à noite;
  • Despertar durante a noite;
  • Despertar muito cedo;
  • Não se sentir descansado após uma noite de sono;
  • Cansaço ou sonolência diurna;
  • Irritabilidade, depressão ou ansiedade;
  • Dificuldade para prestar atenção, concentrar-se em tarefas ou se lembrar de alguma coisa importante;
  • Aumento do risco de acidentes;
  • Dores de cabeça localizadas;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Preocupações contínuas com o sono.

Uma pessoa com insônia, muitas vezes, pode levar 30 minutos ou mais para adormecer e pode dormir por apenas seis horas ou menos a partir de três noites por semana por mais de três meses.

 

No próximo artigo falaremos sobre diagnóstico e tratamento da insônia.

 

Saúde

Dr. Sergio Munhoz

 

Compartilhar: