Dicas de criatividade para manter doente com Alzheimer bem nutrido

Mais de um milhão de brasileiros tem a doença de Alzheimer, assim a complexidade na manutenção da qualidade de vida requer boas informações e conhecimentos para o dia a dia, por ser uma doença progressiva e sem cura. 

Para capacitar filhos e netos a atuarem nas fases avançadas da doença, onde há perda total da capacidade de se alimentarem, com total dependência, informações qualificadas são necessárias. Veja a seguir algumas estratégias para manter o doente bem nutrido. 

Uma refeição utilizando core

 Você, filho, pode montar um prato com alimentos empregando legumes, como cenoura, tomate, beterraba e frutas, como laranjas, mangas, abacaxi e abacate, todas saudáveis e necessárias que se apresentam com diversas cores. Assim, a diversificação chamará a atenção do doente com Alzheimer para uma boa refeição. 

Pratos, talheres, copos  

Seguem na mesma orientação das cores: foque no colorido.  

Um exemplo para facilitar: os pratos deverão ser de plásticos ou alumínio, com objetivo de não serem quebrados ou machucarem, e por exemplo na cor azul. Os talheres, preferencialmente colheres de plásticos, podendo ser na cor vermelha. É fundamental manter a hidratação adequada, e os copos devem ser também em plásticos ou alumínios, com uma base um pouco alargada para não derramarem facilmente, podendo ser na cor amarela, sempre com graduação do volume 200ml. Como podem deixar comida nos cantos da boca, os lenços ou guardanapos são indispensáveis, podendo ser pano ou papel descartável na cor verde. 

O emprego desta estratégia os estimula a comerem sem grandes dificuldades. Às vezes o doente demora para alimentar-se, e uma alternativa é comprar um prato térmico colorido para evitar que a comida fique fria enquanto o paciente está se alimentando. 

Atenção: muitos doentes com perda da memória significativa podem preferir alimentos com os quais possam ter contato com as mãos, sendo mais fáceis de serem administrados e agradáveis. 

Temperatura 

É importante você ou o cuidador que, no momento da administração dos líquidos e dos alimentos, verifique a temperatura deles, já que alimentos muito frios poderão ser recusados. Já os quentes poderão queimar a língua e consequentemente o doente pode ficar dias sem se alimentar. Tenha um termômetro apropriado para verificação da temperatura dos alimentos e líquidos em casa.  

Balança amiga 

Um dos maiores perigos na inadequada alimentação do doente com Alzheimer é a eminente perda de peso. Assim, o cuidador responsável deve-se acompanhar semanalmente ou no máximo quinzenalmente o peso do paciente, seja quando sair para consultas médicas, odontológicas, compra de medicamentos ou as atividades de fisioterapia, pesando-o e anotando numa planilha para informações da enfermagem ou do médico responsável. Ter uma balança em sua casa é opção. 

Sempre será mais difícil reverter um quadro de desnutrição do que fazer a prevenção da perda de peso. Encontrando valores 5% abaixo do peso anterior (por exemplo, um idoso de 80 kg perder 4kg), a atenção deverá ser total, comunicando ao médico ou nutricionista para as adequações necessárias.  

Aprenda sobre alterações no corpo durante o processo de envelhecimento com relação a mudanças alimentares nos idosos e alimentos que se tornam mais importantes nesta fase neste vídeo.

Background photo created by valeria_aksakova – www.freepik.com

Compartilhar: