O tempo passa, os filhos crescem e saem de casa, ficando apenas os pais, até que um conjunto de alterações próprias do processo de envelhecimento faz-nos repensar qual será a melhor moradia.  

Muito comum entre os familiares de idosos ocorrem discussões e inclusive brigas na decisão de moradia. Alguns filhos querem que os pais morem consigo, já outros acham que morarem sozinhos é melhor opção e há aqueles que optam por um lar de longa permanência. 

O estatuto do Idoso prevê que o idoso deve ter integridade garantida pelo Estado e receber cuidados dos familiares, mas isso não significa que a pessoa perde o direito de escolha, portanto, morar sozinho é um direito. A situação torna-se mais crítica quando idosos estão muito doentes, não tem mais o cônjuge, os filhos não têm disponibilidade de tempo e têm dificuldades financeiras.

Veja a seguir algumas das possibilidades, dentre muitas:

  1. Manter os pais em suas próprias casas 

Especialmente, se lá estão há décadas e já acostumados com os vizinhos e amigos. Com a insegurança das casas especialmente morando um idoso sozinho, obrigatoriamente, você, filho ou neto, deverá prover-lhe de total segurança com muros, grades, cerca elétrica, câmeras de monitoramento. E pode ser necessária a contratação de cuidadores.

  1. Adquirir um apartamento só para eles 

Em grandes cidades a segurança é fator primordial, e filhos e pais optam frequentemente, por um apartamento. Para alguns idosos o desconforto pode ser a altura e o medo de elevador. Prefira os três primeiros andares.  

Porém, há maior dificuldade para criação de animais maiores e espaço para todas as plantas, bens e recordações que foram acumulados durante a vida.

  1. O filho comprar sua casa na mesma rua dos pais 

Esta tem sido uma opção para muitos filhos de moradia pois possui as vantagens de os manterem no seu cantinho (com todos seus bens, utensílios, presentes, animais, plantas, vizinhos) e aumenta-se a tranquilidade, podendo visitá-los com maior frequência.  

  1. Casas de longa permanência  

Muito diferente dos antigos lugares segregados, “depósitos de velhos abandonados” pelos familiares, hoje no Brasil as casas de longa permanência para idosos começam a ser uma opção, inclusive os próprios idosos guardando suas economias para se manterem. Tem muitas vantagens: “outros velhos” vão me entender melhor, a boa companhia, a assistência médica ininterrupta, profissionais habilitados, a terapia ocupacional, a atividade física e preços acessíveis. 



ATENÇÃO, ADAPTAÇÕES!

Uma coisa é certa, não importa onde nossos entes queridos vão morar, as adaptações precisam ser feitas para proporcionar segurança como:
– substituir escadas por rampas (se não for possível, instale corrimão nas escadas e fitas antiderrapantes nos degraus);
– os armários para guardar utensílios deverão ser mais baixos;
– trânsito livre entre e nos cômodos, retirando móveis em excesso e tapetes, que podem contribuir para quedas;
– manter boa luminosidade  nos cômodos;
– tornar o banheiro mais seguro, com barras e tapetes antiderrapantes e cadeira para banho.
 

Você já escolheu com seus pais o melhor lugar para estes morarem?  

Veja mais neste vídeo como lidar com esta questão: 

Abstract vector created by vectorjuice – www.freepik.com
Compartilhar: